Os cuidados com o Airbag

 


   Airbags são equipamentos destinados a oferecer uma proteção suplementar ao uso dos cintos de segurança, que ainda são os elementos mais eficazes no sistema de proteção passiva de um automóvel.

   Os Airbags frontais consistem em bolsas de volumes de inflação diferentes, sendo uma menor no lado do motorista, que dispara a partir do centro do volante, e uma maior no lado do passageiro, que dispara a partir da região acima do porta-luvas do painel de instrumentos.

   A Resolução 311 do CONTRAN, de 03.04.09 dispõe sobre a obrigatoriedade do Airbag nos lugares dianteiros dos veículos novos, através de um percentual crescente em relação à quantidade de veículos novos produzidos, sendo 8% em 2010, 15% em 2011, 30% em 2012, 60% em 2013 e 100% em 2014. Isto significa que a partir de 2014 todos os veículos novos produzidos no Brasil deverão ser equipados com Airbags frontais (motorista e passageiro).

   Num acidente grave, os Airbags disparam num tempo inferior a 25 milésimos de segundo após o início do impacto. O tempo entre o início de inflagem e o esvaziamento da bolsa também é muito pequeno, e assim antes de 100 milésimos de segundo após o início do impacto do veículo, o Airbag já deve ter cumprido todo seu papel no amortecimento dos ocupantes.

   Embora o Airbag já tenha salvo muitas vidas envolvidas em acidentes automobilísticos, em alguns casos  podem ocorrer pequenos ferimentos tais como queimaduras e raspões devido ao atrito da bolsa inflável do Airbag com a pele dos ocupantes, especialmente se estiverem muito próximos da área de inflação da bolsa.

   Apesar de sua excelente contribuição na preservação de vidas, o Airbag pode proporcionar risco fatal no caso de uma criança no banco dianteiro em um dispositivo de retenção da classe 0+, que esteja voltada para a direção contrária ao sentido de marcha de um veículo, cujo Airbag não tenha sido desativado.

   É por isso que se recomenda que, no caso de uma criança precisar ocupar o banco do acompanhante em um veículo com Airbag (ex. picape), além da desativação do Airbag (vide detalhes abaixo), ela esteja usando o cinto de segurança ou o dispositivo de retenção equivalente, adequado para o seu peso e idade, e que o banco seja o mais possível recuado para trás, para evitar ao máximo as conseqüências lesivas do Airbag.


 

 

   No transporte de crianças em veículos equipados com Airbags, o maior problema é a velocidade da bolsa inflada com gás, que chega a 300 km/h e pode ser fatal para uma criança que esteja sentada no banco dianteiro com o assento tipo "bebê-conforto" posicionado na direção contrária ao sentido de marcha do veículo, pois o assento será atingido antes da bolsa estar totalmente inflada, quando então atuaria favoravelmente no amortecimento.

   Quanto mais próxima estiver a criança do Airbag durante o seu processo de inflagem, tanto maior serão os riscos de uma desaceleração fatal sobre a cabeça. No caso da cadeirinha da classe 0+ na posição voltada para a traseira do veículo, a cabeça fica muito próxima ao local onde o Airbag dispara no painel de instrumentos.

   Portanto, se em um veículo sem Airbag é sempre recomendável que as crianças ocupem o banco traseiro, no caso do veículo com Airbag essa recomendação é duplamente aplicável.


   A próxima geração de Airbags, chamada “smart bags”, prevê a identificação de uma criança através de sensores de reconhecimento de peso instalados no banco, inibindo assim automaticamente a inflação da bolsa para estes casos. 

 

 

 

 

   O assento de crianças da classe "0" só pode ser instalado num banco dianteiro de um veículo com Airbag se ele puder ser desativado. Se o veículo não tiver um desativador do tipo "chave" ou tecla como equipamento de série (vide foto à direita), o trabalho de desativação só poderá ser feito em uma concessionária autorizada.

   A etiqueta adesiva ao lado alerta para o risco do uso do assento infantil sem que o Airbag do banco do acompanhante tenha sido desativado. Geralmente os veículos possuem essa etiqueta desse tipo com cores e dimensões padronizadas num local visível próximo ao banco do veículo, tal como o vão da porta ou na lateral do painel de instrumentos.

   Há alguns modelos de veículos que possuem o Airbag apenas no lado do motorista. Neste caso, dispensa-se o cuidado especial em questão.

 



Obs.: Alguns veículos no Brasil já possuem a chave de desativação do Airbag, tanto no segmento de automóveis como de picapes. A tendência é que esse número aumente futuramente, visto que o critério do Latin NCAP em vigor para o Brasil e demais paises latino-americanos credita pontos para esse tipo de acessório.
 

 

 

 

   


 

   As figuras ao lado ilustram a dinâmica de movimentação perigosa do assento infantil da classe "0" (tipo "concha"), quando instalado no banco dianteiro direito do veículo (banco do acompanhante)  sem que o Airbag  tenha sido previamente desativado.

   O impacto brusco da bolsa do Airbag contra a cadeirinha pode causar lesões na cabeça do bebê devido à alta aceleração no momento do impato.

   A situação é agravada ainda mais se o banco estiver posicionado todo para frente na sua regulagem longitudinal.

 

 

 

 


volta ao MENU na página principal